quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Um obrigado sentido


Ora então, bem vindos todos vocês que se dão ao trabalho de ler este excelente blogue!!! Isto por aqui anda bem, devo dizer que os autores andam muito satisfeitos com a elevadíssiva afluência que tem sido registada, tivemos, se não estou em erro, mais de 3 (três) visitantes nas últimas 4 (quatro) semanas! É obra, e é bonito de se ver!
Então e vocês, como andam? Deixem comentários, façam sugestões, digam mal, nós trataremos de todas as coisas boas e menos boas como a função pública em tempo de SIMPLEX, agradecemos naturalmente mas trateremos de tudo com tempo e devagar devagarinho.
Da minha parte, por agora chega mas fico à espera dos mais espirituosos de vós que consigam abanar o mundo por mim que eu agora tenho andado fraquinho e dói-me a perna esquerda portanto não me consigo mexer muito bem. Ah, às vezes também tenho os dedos das mãos a estalar muito, mas só quando escrevo demasiado portanto até nem é tão frequente quanto isso!
Da parte dos autores, um obrigado sentido e um até amanhã camaradas, sem a conotação política para não ferir sensibilidades!

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

Going quietly into the night?!


Tens alguma razão companheiro! Claro que eu, sendo como sou, não posso concordar contigo a 100%, não teria piada nenhuma!!
Agora, quanto à parte com a qual não concordo com a tua dissertação, eu não acho que após a morte da inocência, a vida de adulto é uma merda. Aliás, existem muitas coisas pelas quais vale bem a pena deixar a morte da merda da inocência para trás. A responsabilidade, por mais ambivalente que esta indicação seja, é uma delas. Não há nada melhor do que ser o responsável por alguma coisa, é da nossa natureza, sentimo-nos bem com isso, dá-nos poder ou a ilusão deste! É claro que temos contas para pagar e andamos sempre com os to***** nas mãos mas é assim mesmo que as coisas são, é das poucas coisas desta vida de adulto que acredito se deva simplesmente aceitar.
Em contrapartida, existe imensa coisa que nos dá esta vida de adulto, a liberdade criativa, a companhia dos amigos, a liberdade de expressão e a possibilidade de fazer tudo aquilo que bem te der na veneta! Não me parece que fosse capaz de viver sem isso, já agora, tu também não!! :P
Admite Sam, é destas pequenas liberdades que tu, eu e toda a gente vive... é desta impossibilidade de ficares preso pelos outros porque esse poder é teu e só tu te prendes a ti próprio, porque podes que esta "merda" de vida de adulto sabe tão bem.

Acorda, olha à tua volta, vê tudo o que tens e, depois de fazeres isso, fecha os olhos, inspira bem fundo toda a merda de vida que te rodeia e sorri, é só tua e ninguém ta pode tirar... além de ti

domingo, 10 de fevereiro de 2008

Vidinha de adulto!

Até parece que vem a propósito do post anterior...

Ainda ontem vi um amigo de infância (quando digo infância é mesmo desde os 7 ou 8 anos aproximadamente) que já não via há uns tempos (largos meses) e ao cumprimentá-lo ele sai-se com esta pergunta que me surpreendeu:

"Então como vai essa vidinha de adulto?"

Surpreso pela objectividade da pergunta mas sem desarmar a ironia evidente respondi:

"Uma merda! Vidinha de adulto é sempre uma merda!"


Pensei imediatamente nos tempos em que jogavamos à bola despreocupadamente na Vila Berta, ou quando nos divertiamos no carnaval com os estalinhos, as raspas e as bombinhas! Já para não falar das guerras de balões!
Lembrei-me de sermos um grupo de gaiatos traquinas que assaltava as arvores de fruto das redondezas, era laranjas, nêsperas, marmelos.. o que viesse à rede era peixe aliás fruta!

Contrapus tudo isso com a minha vida de agora que é resumida à casa e ao trabalho, ao trabalho e à casa.

Despedimo-nos com sorrisos de concordantes, constatando que após a morte da inocência ser adulto é uma merda.

domingo, 3 de fevereiro de 2008

Nostalgia televisiva

No outro dia lembrei-me de duas programas televisivos. De um sinto a falta, de outro nem tanto. Temos de vê-los também do ponto de vista de uma criança com cerca de 10 anos quando estes programas passaram na nossa televisão, mais precisamente na RTP1. Séculos antes de aparecerem os outros 2 canais generalistas na televisão portuguesa.



Um dos programas que não sinto tanto a falta é o TV Rural com o "saudoso" Engº Sousa Veloso (devo admitir que não tenho nenhuma antipatia pelo Engº e hoje em dia até sinto a falta da sua simpatia e do seu "despeço-me com amizade!") que nos entediava (imberbes e irrequietas crianças) até à morte nos domingos de manhã à espera dos desenhos animados!

Aqui vai um pouco de nostalgia...




O outro programa que vos venho falar é o famosissimo Captain Power and The Soldiers of the Future! Que espectáculo visual para a altura! Vindos das cinzas de um mundo devastado um grupo de soldados lutava contra as máquinas em batalhas infindaveis!

Mais um excerto...






Meu Deus... era bom ser criança!

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Só um olá!

Bom dia a todos!
Venho apenas agradecer ao meu grande amigo Samuel pela oportunidade de colaborar neste blog de cara lavada que agora se nos apresenta! Espero sinceramente que gostem do que venha a deixar aqui e que comentem sempre que achem interessante, espero não os desiludir.
Um grande abraço deste vosso amigo,

João Feliciano