sábado, 29 de dezembro de 2007

"Já fez 10 anos..." ou "Como o tempo voa!"

Compartilho convosco o meu 1º poema...


Memória de Inverno


É Dezembro,

Tudo se revela em cores pastel

Como uma memória fustigada pelo tempo,

Assim como a copa das árvores balança

Despida do seu fulgor primaveril

E a chuva fria cai como lágrimas


Tornei-me um apêndice do Inverno...

Frio e austero ; desprovido de calor humano

desde que partiste e levaste

a tua fagulha de vida.

a tua dança de amor.



Sirvo apenas o meu propósito,

Não crio vida, apenas a condiciono

Pois sou um oposto do quero ser

E permaneço imóvel e resoluto…


Até um dia em que o ciclo mude

Porque estou farto

De testar a paciência dos homens,

De os subjugar a duras provações e miséria

Para depois adormecer

E sonhar com o dia em que vou florescer.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Nado Morto

Ontem já me cheirava a morte
Obscuro labirinto de odores
Agridoce plano de solidão

Ontem já a luz me escapava
Embora acordado
Neste húmido ventre
Onde o sono parece divino

Hoje o perdão peca
Num neutro embrião
Abraço um segundo
Já perdi o norte na escuridão

Pestilento começo de vida
No preludio do amanhã
Onde já não estarei aqui…

domingo, 23 de dezembro de 2007

Sepulcro

Já te devia ter enterrado, mas sem lápide, sem adorno sem nada. Apenas uma vala onde pudesse depositar esta pele. Já devias estar decomposto e os teus átomos fazerem parte de todo um novo mundo numa infinita recombinação de protões e neutrões, numa arvore, numa pedra num novo dia! Já devias estar esquecido como aquele livro na biblioteca municipal ou como aquele carrinho de brincar que um dia emprestaste a não sei quem e que nunca mais to devolveu. Já devias ser passado mas insistes em corromper gramaticalmente tudo o que te rodeia, transpondo os tempos verbais tornando-te presente e querendo ser futuro. Já devias ser memória mas parece-me que é sempre a primeira vez que te vejo ou oiço . Já devia de te ter enterrado; só que ja me apercebi que o sepulcro que cavo também é o meu!

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Já me rendi às evidências... e vocês?

Medíocre

do Lat. mediocre

adj. 2 gén.
,
mediano;

meão;

que está entre o bom e o mau;

ordinário;

insignificante;

s. m.,
aquele ou aquilo que tem pouca qualidade, pouco valor, pouco merecimento;

esc.,
classificação escolar entre o mau e o suficiente.


É uma palavra que cada vez tem sido utilizada no meu dicionário. Tenho pena que assim seja, mas não nos resta outra opção senão aceitar este adjectivo como uma definição da nossa existência. Alguém me disse há uns tempos que " É sempre mais fácil lidar com a mediocridade do que com o sucesso ", e não pude de lhe deixar de dar razão! Lidarei então com a minha mediocridade e deixo a dos outros para os outros (já nada me surpreende)!

Tudo bem, pode-se alegar que existem ou existiram pessoas e feitos que não são vulgares, que há certas "coisas" que não são mediocres e que eventualmente até nos podem servir de guia para padrões morais, éticos e religiosos pelos quais podemos reger a nossa vida.
Coloquemos esses exemplos (e cada um tem os seus) à parte e vejamos o que nos rodeia!

Atenção que não me coloco noutro plano que senão a da medíocridade também! Aliás coloco-nos a todos nós humanos, pelas condições medíocres de como encaramos e vivemos as nossa vidas.
Sou medíocre, e não tarda moerei a palvara até a mesma perder o sentido, deixar de ter relevância semântica, até não deixar de ser um aglomerado de letras sem significado. Sim isso será medíocre.

Serve-me de consolação a única definição que ainda poderá abonar á minha medíocridade: "que está entre o bom e o mau;"
Soa-me a livre arbitrio pelo menos, estou entre o bom e o mau. Ao menos tenho escolha, pelo menos assim me parece. Teremos nós escolha de escapar á medíocridade que nos rodeia?
É mais que certo que não é por este exemplo de post medíocre!

Como gostaria eu de deixar a medíocridade! Como gostaria eu de encontrar alguém que não o foi/é/será!


quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Terra de dor

Terra de dor,

Onde a dureza do tempo tem tantas rugas

Como os vetustos penedos que nos rodeiam


Terra de dor

Onde os trilhos batidos

Relembram os trejeitos sinuosos da nossa vida


Terra de dor

Onde a gélida geada

Cauteriza até a ferida mais profunda


Terra de dor

Onde as raízes dos carvalhos

Lavram o solo que é tão árido como o teu olhar


Terra de dor,

Terra de temor,

Esta é a terra que me viu nascer

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Vagabundo

Guio-me, por entre a neblina

E as ruas desertas da cidade,

Calçadas empedradas, becos sem saída

Momentos perdidos na noite e na chuva


Olhares entrecruzados, receosos

De quem possam encontrar

Talvez alguém já perdido

Talvez algum mal á espreita


Veloz é o meu passo

Na espera de encontrar abrigo

Mas a intempérie não me perdoa

E os ventos arrastam-me para longe


Estou só, e não me quero encontrar

Novamente nas ruas da cidade

Batalhando contra os elementos

Mas a hoje a neblina é imensa


quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Antagonismo?

Abateram-se dois dias de chuva na cidade, já cá fazia falta uma lavagem nas ruas, já fazia bem uma lavagem no espírto! Parece que o Inverno chegou tarde, mas auspicia ser chuvoso. É engraçado como nos sentimos confortáveis em casa, quando se abate uma carga descomunal lá fora! Pelo menos no conforto da nossa cama isso parece ser um pensamento recorrente... e verdade seja dita que só nos apetece anicharmos mais nos cobertores!
Foi assim que me senti neste domingo... mas não foi só isso, foi também o ver a chuva a cair lá fora a limpar tudo; e parecendo que não, quando chove há um depurar da alma, (pelo menos para mim)
e é quase como começar tudo de novo! Como se quando parasse de chover havia um novo mundo de possiblidades lá fora! Quase...
Só temos mesmo de esperar que a chuva passe não é?

terça-feira, 30 de outubro de 2007

Sugestão...

Aqui vai uma sugestãozita de uma banda que lançou o album de Metal revelação do ano...

MASTODON - COLONY OF BIRCHMEN


sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Lisboa... Lisboa....

É incrivel a multipicidade de etnias que domina as áreas por onde passo para ir trabalhar... ainda mais incrivel é a separação das águas quando se passa do Martim Moniz para a Avenida da Liberdade.

Todos os dias ao passar pelo Martim Moniz em direcção á Av. da Liberdade vejo as duas faces da moeda, a Lisboa triste e pobre e a Lisboa feliz e rica.

Pois bem, Para quem é lisboeta decerto se apaercebeu de que tipo de pessoas habitam e trabalham na zona da Mouraria\Martim Moniz; são chineses, africanos, ciganos, indianos, paquistaneses, até ucranianos já la tenho visto! Como se não bastasse a etnicidade "explosiva" ainda temos os sem-abrigo e os drogados que se limitam a existir apenas naquela rua! Tudo isto sobre o olhar conivente da esquadra da PSP que simplesmente ja deve ter vivido melhores dias dos que vive hoje! Não estou aqui a criticar mas apenas a salientar que se há sitios visualmente desgradaveis em Lisboa, o Martim Moniz é um deles... resta-nos a consolação de pelo menos sabermos que se algum dia precisar-mos de algum aparelho eléctrico (desde o depilador das orelhas até ao aquecedor de almofadas) temos lá de tudo. É melhor que a feira da ladra.

Após aquele horrendo espectáculo temos o imponente Hotel Mundial que infelizmente tem de conviver os seu dia-a-dia entre putas e drogados, entre chulos e chulados! Que mal fadado destino! Aqui no Hotel Mundial é cómico como vemos alguns turistas abismados (enojados) com a já referida etnicidade subjacente! Mas não é de turistas que hoje vos falo é dos espaços e de quem os ocupa. Como referia o Hotel Mundial servindo-se da sua oponência estrutral serve quase como de muralha ou de bastião entre estas areas tão distintas e tão vizinhas!

Passando o Hotel Mundial temos duas opções, a Praça da Figueira ou a famosa Rua Barros Queirós que não passa apenas de um filamento (bem congestionado diga-se), de um pequeno atalho para se chegar perto do Teatro D.Maria II.

Optemos pela Rua Barros Queirós que faz parte do meu percurso habitual e ao chegar ao fim da mesma deparamo-nos com mais de uma centena de africanos que lá passa o dia agrupados aos magotes fazendo daquele espaço o seu ponto de encontro favorito. Não vejo mal nenhum nisso, mas todos os dias me interrogo: "Quantos destes gajos é que estão legais no nosso país? Quantos destes gajos é que trabalha? Afinal parecem-me passar aqui o dia todo!"Serão legitimas estas perguntas?

No entanto e após passarmos por este pedaço de África em solo português, temos novamente 2 opções... A Rua das Portas de Santo Antão ou a passagem por detrás do Teatro Nacional D.Maria II em direcção á estação do Rossio e consequentemente os Restauradores.

Qualquer uma das duas opções tem as suas caracteristicas pois enquanto por uma entramos rápidamente para a Lisboa feliz, endinheirada ( e engravatada) por outro lado passamos pela Lisboa dos restaurantes, a Lisboa dos petiscos e das cervejas, a Lisboa feliz e boémia.

Daqui paraa frente ja muitas coisas se tornam similares, pelo menos em termos dos seus ocupantes, pois temos mais estrangeiros por metro quadrado do que Portugueses... (Já foram á Loja do Cidadão logo de manhã antes de abrir? Com uma fila enorme cá fora depressa se torna um vê-se-te-avias naquele Serviço de Estrangeiros e Fronteiras...) Mas não fugindo á Lisboa feliz e rica, se de um lado temos a beleza e magnitude do Hotel Eden (antigo cinema Éden) e o não menos "glamoroso" Hard Rock Café na Avenida, por outro lado temos a magnifica rua pedonal acompanhada de cada lado da mesma pelas inumeras opções gastronómicas e pelo Teatro Politema ( que conseguiu manter um espéctáculo chamado Musica no Coração um ano consecutivo, se não me falha a memória, sempre com lotações impressionantes.. porra este Lá Féria sabe mesmo fazer dinheiro) e o mágnifico Coliseu dos Recreios onde acho que quase todos os lisboetas ja foram pelo menos uma vez ver um espectáculo! Após estas opções e chegando ao Largo da Anunciada seguiremos então pela mágnifica Avenida da Liberdade, onde a opulência dos seus ocupantes se evidencia cada vez mais.
Irónico é quando se segue pela Rua das Pretas em direcção á Rua Rodrigues Sampaio temos novamente o cenário de pobreza demonstrado pelos sem abrigo e pelos edificios muito degradados.. é caso para dizer que a loja Luis Vuitton e demais lojas de design encontram como vizinhos o seu estrato social oposto.

Verdade é que quando anoitece, e lá prá uma ou duas da manhã, já não existe Lisboa feliz, mas sim só a Lisboa triste, a Lisboa deserta, a Lisboa vadia que não tem raça, nem credo, onde a vivacidade agora dá lugar á melancolia, passa-se então para a Lisboa para lá de boémia, passa-se para a Lisboa enferma e estganada.

É verdade que quando o sol nasce é para todos mas quando a noite cai a Lisboa é so para alguns!

domingo, 21 de outubro de 2007

28 anos

Mais um ciclo, mais um ano.. Já são 28!

Ontem foi um daqueles dias de reflexão, pois é no finalizar de ciclos que se faz um balanço daquilo que se passou...

No final das contas o balanço até é positivo, pelo menos acho eu! Umas vezes melhor, outras pior mas há sempre um lado bom nisto tudo! Agora que estou mais velho (e não foi por ter feito 28 anos mas pela experiencia de vida) acho que já consigo ver as coisas de diferentes perspectivas. Acho que a pouco e pouco e com o envelhecer estou a tornar-me uma pessoa melhor, mais ponderada, mas infelizmente menos paciente.
Há sempre um lado bom e um lado mau em tudo... só mes resta saber tirar partido do lado bom das coisas e encarar a vida de frente. Mesmo que o futuro pareça medonho!


Perpétuo

O longo eco do metrónomo

Marcava o tempo descompassadamente

Um pêndulo em movimento,

Meia batida de coração.

Escoavam-se os segundos

Mas tudo se movia para aquele momento

Em câmara lenta, o bailado começava

E deixei-me levar na corrente

Num remoinho inevitavel

Onde planamos sem gravidade

Numa abstracção de espaço ou imagem

O fluir perpétuo do nosso tempo

Cada segundo mais velho.

sábado, 13 de outubro de 2007

Arrancado a ferros...

Dentro de uma semana faço 28 anos e nunca me senti tão velho como agora! A minha experiência de vida tem sido no minimo exaustiva! Umas vezes melhor outras vezes pior, mas sempre aprendi com tudo o que passei... até hoje.

É a primeira vez que tento escrever sobre isto abertamente e é a ferros que arranco esta crónica.

Hoje perto de mais um ciclo de vida, tento arrancar a ferros a presença de uma pessoa da minha mente. Serei sincero, ainda não consegui! Já fez um ano que me separei e quero voltar a viver mas não consigo, agora quero voltar a amar mas não consigo, quero prosseguir mas não consigo! A raiva e a frustração dominam-me a cada dia que passa, por não conseguir depurar e limpar a minha "alma". E com grande pesar que ás vezes penso que morreu um bocado de mim. Felizmente tenho tido a ajuda de alguns amigos (poucos mas bons) sem os quais não conseguiria ter passado por tudo isto. Saliento também uma pessoa que me ajudou a ver as coisas com outra perspectiva e relembrar-me que nada acontece por acaso e que se deve ter uma visão mais optimista sobre as coisas e situações. Há sempre algo a aprender no meio disto tudo...

É me frustrante estar com ela no mesmo espaço, sinto-me ansioso e tomo uma postura defensiva e ás vezes fria e indelicada quando na verdade nada disso reflecte aquilo que sou e para quem me conhece pode dizer que sou uma pessoa bastante extrovertida e de trato fácil. Considero-me também uma pessoa divertida e sempre pronta para uma piada mas neste momento não consigo articular todo esse ser que sou (ou já fui) e parece que ultimamente só consigo retirar o pior de mim, toda minha arrogância e escárnio, todo o meu desinteresse parece estar sempre presente em algo que faça!

Para quando o término deste sentimento de impotência? Para quando o fim deste mal estar? Quando é que me voltarei a encontrar?

Já me disseram pode demorar dias, meses, anos mas até lá tenho de me manter firme e acarretar as consequências de todas as decisões que tomei (quem me conhece sabe melhor que ninguém) e não me posso vitmizar nem apresentar a "canção do coitadinho" porque não o sou nem o fui! Eu sei perfeitamente o mal que causei e acho que o primeiro passo e tentar perdoar-me de modo a poder perdoar os outros. Parece um conjunto de balelas mas acho que é aqui que está o cerne da questão! Passa por aqui também a minha "terapia" e é o facto de me tentar consciencializar que tudo acabou, e integrá-lo na minha mente. Tenho de perder aquela esperança que tudo voltará a ser como dantes! Nada será como dantes!

Até lá... espero pacientemente poder recuperar e ser novamente quem sou, mas nada nos fere mais do que a angústia da espera.

Para quem conhece fica aqui um video com a musica que tão bem descreve o que sinto... para quem não conhece fica aqui uma óptima sugestão de uma das melhores bandas da actualidade...TOOL



The Patient

A groan of tedium escapes me,
Startling the fearful.
Is this a test? It has to be,
Otherwise I can't go on.
Draining patience, drain vitality.
This paranoid, paralyzed vampire act's a little old.

But I'm still right here
Giving blood, keeping faith
And I'm still right here.

Wait it out,
Gonna wait it out,
Be patient (wait it out).

If there were no rewards to reap,
No loving embrace to see me through
This tedious path I've chosen here,
I certainly would've walked away by now.
Gonna wait it out.

If there were no desire to heal
The damaged and broken met along
This tedious path I've chosen here
I certainly would've walked away by now.

And I still may ... (sigh) ... I still may.

Be patient.
I must keep reminding myself of this.

And if there were no rewards to reap,
No loving embrace to see me through
This tedious path I've chosen here,
I certainly would've walked away by now.
And I still may.

Gonna wait it out.

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

É hora...

A pouco e pouco tento "expiar" os meus pecados e combater os meus demónios interiores, pois já é hora de dar o passo em frente e enfrentar o que me atormenta. Será uma luta devastadora, será uns esforço continuado mas não baixarei os braços a aguardar a minha hora! Hoje expio, amanhã confesso-me e depois... o tempo o dirá!



Breaking benjamin – So Cold

Crowded streets all cleared away
One by One
Hollow heroes separate
As they run

You're so cold
Keep your hand in mine
Wise men wonder while
Strong men die


Show me how it end it's alright
Show me how defenseless you really are
Satisfy an empty inside
That's alright, let's give this another try

If you find your family, don't you cry
In this land of make-believe, dead and dry

You're so cold, but you feel alive
Lay your hands on me one last time



It's alright

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Catalisar

Há dias em que tudo se torna distante, em que já não consigo "expiar" a minha alma. Sempre me considerei o homem do "Plano B". Sempre quis fazer as coisas pelas minhas próprias mãos e dedicar-me ao mais racional que podia. Por outras palavras sempre fui o mais forte ao lidar com todos os que rodeavam até ao ponto em que ser o mais forte não chega.
Não é uma questão de ser o melhor, ou de fazer o melhor ou de ser mais forte. Há sempre uma altura em que se quebra e é nesses momentos que vemos a nossa fibra e a nossa vontade de continuar quando tudo é adverso. Já perdi a fé na humanidade há muito tempo.

Agora é uma questão de voltar a integrar-me e deixar que o tempo "me absolva" ou simplesmente de abrir mão do passado! Calmamente pois não posso exigir de mim o que exigia antigamente...
Estoicamente prosseguir parece ser o meu caminho e ainda tenho muito para calcorrear. Pode ser que um dia ja tenha conseguido retirar este "cheiro" da minha pele. Enquanto tento prosseguir devo olhar para trás e apreceber-me do que foi feito, do que aprendi e caminhar livremente até me aperceber que cada dia é uma dádiva!

Nada melhor do que reler este poema que escrevi há uns anos quando fui de férias com uns amigos....


Dádiva

Enquanto o vento percorre o vale

Dormitam as giestas nas encostas

O sol queima-lhes as folhas

Doirando os montes com a cor do mel

Por entre penedos e escarpas

Serpenteiam os ribeiros cristalinos

Trauteando a canção muda

De quem lava as pedras do rio

Tudo vejo do ermo

Desde a alvorada ao entardecer

E cada dia é uma viagem

Um mergulho no meu mar interior

Como poderia eu rejeitar tudo isto

E emudecer-me perante as montanhas

Se em cada passo nos carreiros

A terra me diz:

Sorri, cada dia é uma dádiva!

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

365 dias

Distantes os mundos em que vivemos

Diferentes as dimensões em que nos vemos

Longinquos espaços, os teus afastados traços

O eclipse que turvou a minha vista


Coberto o sol pelo teu satélite

Fingistes trazer a noite, um manto de estrelas

Escondendo os raios de luz, omitindo a pureza

Trazendo treva a dias ensolarados


Fugidio momento de extase celeste

Em que colhi o mel dos teus lábios

Iludido pela magia dos teus movimentos

Porém tudo passa,e eis que os astros se deslocam


Levando consigo imagens de outrora

Deixando-me de novo livre,

Mas amputado pela luz que me cegou

segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Porra, ficámos na mesma! Os Empata Fodas!

Este empate com o Sporting não nos veio trazer nada de novo! A não ser um Rui Costa que continua a jogar e a dar cartas pois sem ele a história era definitivamente outra.
E este Cardozo? Afinal joga ou não joga? Não em digam que é mais um fiasco (ja começam a ser demais) de vários milhões de euros! É caso pra dizer que ja não percebo nada desta merda! Vem o Camacho e tal... promete mais atitude e parece tudo na mesma, informa que não gosta da falta de oportunidades que criamos nos jogos e continuam apáticos no ataque!
Nuno Gomes? Que mais é que se pode dizer? Simplesmente não mete a bola no saco?! Espero que este ano os benfiquistas não estejam á espera de titulos mas sim de muito trabalho! Camacho que fique, parece ter coragem para fazer frente á atitude de conformismo que o plantel do Benfica parece sofrer há alguns tempos (Depois do titulo)!

E agora mais um joguito contra o Donetsk (que não é pera doce diga-se já) para ver até que ponto é que estamos preparados para enfrentar esta época quer interna quer externamente!

O que nos vale é sempre aquela esperança!

FORÇA GLORIOSO!

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Politica por SMS

Há uns dias atrás vários amigos meus receberam vários SMS a serem informados pelo seu partido sobre a entrevista feita ao Marques Mendes, vulgo lider do PSD! É caso pra dizer que fiquei estupefacto com o tipo de "marketing" desenvolvido! Só faltava agora uma mensagem em pitês mais ou menos assim: "ppl tass? hj debate na tv markx mendx ás 8. fiquem bem."

Melhor ainda, esses mesmos amigos foram convidados por SMS pro jantar comício onde passo a citar um deles "Vamos comer á pala e ainda bebemos uns copos". Como se não bastasse um deles recebe um telefonema a dizer: "tass bem, bora comer á pala o jantar é mta bacano, bacalhau espiritual (só tive de me rir com esta escolha) não vens?"

No final só sei que os que foram ainda encheram a mula, apanharam uma boa burra e ninguém me soube dizer nada sobre o que o homem foi pra lá dizer!

Ao que isto já chegou! Já agora e porque não... que se fodam os ideais?!


Off topic: Ja viram o terceiro segredo de Fátima??

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Ja não era sem tempo...

Nem sei quantas vezes é que já tentei começar este blog e fica sempre esquecido a um canto como aqueles filmes porno em cassetes VHS que temos enfiadas num armário ou uma gaveta recôndita na nossa casa. Quem é que hoje em dia ainda se atreve a usar video? Só se for pra ver as cassestes do casamento onde apanhámos um pifo descomunal e fizemos figuras de urso!

Mas não fugindo ao assunto, basicamente a culpa disto tudo é um gajo não ter tempo pra nada, nem pra coçar o escroto! É casa- trabalho, trabalho-casa. Lá se consegue um espacito pra ver o Benfica ou pra dar uma voltita com os amigos beber uns canecos de vez em quando.
E lá ficamos nós todos contentes por ter gasto 40 ou 50 euros numa bubadeira que no outro dia só nos faz pensar: "Foda-se lá se gastou 10 contos em copos ontem á noite, pra hoje andar ca tripa toda lixada e com a cabaça do tamanho duma melancia!"

É como vos digo, o tempo é que nos tá a lixar o esquema todo! Quando me levanto á pressa pra ir bulir tou sempre a olhar pra merda do relógio, pra fazer a barba á pressa, tomar banho, vestir-me e saír de casa num fúria porque já não vou picar o ponto a horas e qualquer dia lixam-me o juízo por chegar tarde!

Depois é o tempo que é curto pra fazer as nossas obrigações diárias no trabalho, é a merda do telefone que não para, é os mails a caírem am catadupa com merdas urgentes, é o fax que caga folhas sem parar, é mais um cliente que aparece com mais um pedido... porra já chega!

É o tempo que os transportes demoram a chegar pra ires qualquer lado quando estas com pressa, é o tempo que passas nas filas de trânsito a gastar gasolina (que está barata á brava!) ou é o tempo que demoras a reiniciar o teu posto de trabalho que está carregado de tralha e que já não é desfragmentado á séculos, é o tempo esperas no banco, na fila da loja do cidadão onde ainda tens apenas 271 numeros á tua frente ou que esperas no supermercado com os iogurtes e as cervejas a aquecerem no cestinho porque uma velha qualquer decidiu ir á procura das moedas todas de cêntimo pra pagar uma merda qualquer.


É o tempo que passa e nos rouba a juventude, o ânimo, e que quando damos por nós ja temos prai 30 anos e pensamos: " Só tenho mais 30 ou 40 anos pra gozar."
Pra gozar o quê? Pra gozar o tempo da nossa reforma que quando chegamos a velhos parece que demora uma eternidade a passar!

É mesmo como vos digo... raios partam a merda do tempo!

sábado, 17 de março de 2007

Um dia standard...

Sabem aqules dias padrão? Hoje foi um deles, em que nos levantamos tratamos da casa, vamos trabalhar, voltamos pra casa, tratamos do resto da coisas e tentamos divertirnos um pouco ao ver a tv ou jogar computador, ou simplesmente falar um pouco no messenger!
O que chateia mais é saber que amanhã vai ser exactamente igual... rotinas...